A história dos cursos de Comunicação da Uniuv (2002- 2012)

sep

A criação do blog Uniuv

Era uma vez um sonho. Um sonho que conquistou muitas pessoas e se tornou realidade. Um sonho que foi concebido pequeno, mas que sabia do seu potencial e, em apenas 10 anos de realização, tornou-se grande, maduro, com muito conteúdo e contou com um enredo de muitas conquistas. E sabe quando a história de um lugar é o palco de histórias de vida de muitas pessoas? Pois é... É a história de comunicadores que se entrelaça com a dos cursos de Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda da Uniuv. É esse emaranhado de histórias, do sonho que ainda não acabou e tem tudo para ser longo, duradouro e cada vez melhor, que você pode encontrar nesse blog.

Quando a turma responsável por este trabalho digital iniciou as pesquisas, em 2012, com certeza não imaginava que ia encontrar uma história rica de fatos, de personalidades, de ações, de paixão pela comunicação, de experimentação e dos personagens mais importantes da nossa história: nossos alunos. A ideia era montar um blog documental, no qual estariam reunidas todas as histórias do Curso. Porém, agora, ao apresentar o resultado, vemos que temos algo a mais. E esse ‘algo a mais’ é movido pela paixão de nossos personagens. Fomos buscar inspiração nos prêmios, nas conquistas, nos egressos que estão no mercado de trabalho, nos professores que deixaram sua marca por aqui e no crescimento que tivemos em 10 anos. E o que apresentamos neste espaço é um processo de muito aprendizado e companheirismo.

Este blog foi desenvolvido nas disciplinas de Jornalismo Online e Técnicas de Reportagem, planejada para que os futuros jornalistas do nosso curso saiam com uma experiência significativa nessa área. Como resultado final, podemos ver claramente o aprendizado dos alunos, que fizeram uma grande pesquisa jornalística, utilizaram com excelência os recursos que a internet oferece, desenvolveram suas habilidades e conseguiram contar a história do curso, por meio de palavras, sons, imagens, infográficos e vídeos. Nenhum dos problemas que enfrentaram fez a equipe de repórteres desistir. E, para falar a verdade, foram muitas as dificuldades encontradas. Porém, entre risadas e desânimos, entre ‘deadlines’ e ‘fica para semana que vem’, entre o desespero e a vontade de fazer, entre tudo isso, estavam ali grandes futuros profissionais. Uma equipe pequena, apenas sete alunos, gerenciados por duas professoras, que entregaram à Uniuv um relato dos últimos 10 anos e resgataram o que há de melhor em cada uma de nossas conquistas. Isso tudo por meio de um jornalismo bem feito, agradável e realizado com prazer.

Vale lembrar que este projeto é experimental, tanto em seu formato quando em sua linguagem. Talvez, aos olhos do leitor, algum detalhe pode não ter tanta importância ou estar mal acabado. Mas, com certeza, cada link, cada texto, cada foto e cada momento foi pensado e repensado. Foi um trabalho em equipe que identificou nos acadêmicos um potencial individual. Mais que isso, mostrou que os cursos estão a todo vapor e a cada dia recebem mais destaque por suas ações.

Com tudo isso fica uma certeza: o sonho não acabou!

Os 10 anos do curso Uniuv

Um dia, um leão cruzou o caminho de um rapaz que só andava pelo caminho já construído. Quando viu o leão, teve que correr por caminhos desconhecidos e se deparou com um abismo. Se ele não pulasse no abismo, seria devorado pelo leão e, se pulasse, poderia morrer ou salvar-se, mas teria que arriscar. O rapaz resolveu pular. Durante a queda descobriu um galho, desses que sempre encontramos nos abismos, que tinha o mais belo e gostoso dos morangos. Então, o rapaz descobriu que morangos deliciosos só são provados quando andamos por caminhos desconhecidos e nos atiramos de cabeça nos abismos da vida.

Foi com essa história, contada pelo escritor Rubem Alves, que homenageamos a primeira turma de Comunicação em sua formatura. Porque acreditamos que a comunicação deve ser encarada como uma nova forma de ver o mundo e é uma tarefa diária, rotineira, cotidiana, de persistência.

Lá em 2002, iniciamos um curso com pessoas cheias de esperanças de fazer de seu mundo um lugar melhor para se viver, por meio do exercício digno de sua profissão. Assim eram os alunos, assim eram os professores. E foi assim que se construiu um curso com muitas glórias, muitos desafios, muitas vitórias e alguns fracassos, que se transformaram em lições. Não era possível fazer do modo imaginado, fazia-se de outro. Fechou-se uma porta aqui, criou-se outra do lado de lá.

Com a ideia comum de uma comunicação justa, que amplia a visão de mundo da sociedade e colabora para o exercício da cidadania, formou-se um curso crítico, de opinião firme e, às vezes, incompreendido. Como a maioria das situações está além daquilo que vemos, o comunicador tem de ser capaz de ver o que está além dos olhos. Desse modo, tem-se, também, de estar preparado para as críticas, aos modos distintos de se entender os acontecimentos. Para isso, é preciso estar aberto a novas ideias e mudanças de pensamento, para tornar-se um profissional e uma pessoa cada vez melhor.

Para comunicar bem, é preciso estar vivo, com os sentidos alertas, prestando atenção aos detalhes, para tornar possível a reflexão diária sobre as novas e velhas questões do cotidiano humano. Para que isso aconteça, é preciso descobrir qual a sua posição no mundo, de que lado está, quem é. Sem essa descoberta, torna-se difícil pensar na comunicação como um instrumento de construção de solidariedade e de definição do homem como sujeito do seu cotidiano.

Essa visão de mundo inspirou cada dia de trabalho dos docentes no curso de Comunicação Social. Formar profissionais nessa área é, acima de tudo, um compromisso com a cidadania e seu exercício. Agora, colhemos os frutos do trabalho para criar um curso com ótimo desempenho no Enade, prêmios estaduais e regionais, publicação de livros-reportagem. O desafio é crescer mais, ampliar o conhecimento na área da Comunicação, para contribuir ainda mais com o desenvolvimento das cidades irmãs e colher muitos morangos.

sep