De Face para Uniuv

Participação do curso de Comunicação Social no processo de transformação da Face para Uniuv

Vista da faixada do prédio da Uniuv

 

Foi em 2007 que a Face (Faculdade de Administração Ciências Econômicas) passou a se chamar Uniuv (Centro Universitário de União da Vitória). Muitas mudanças ocorreram com isso, uma delas, segundo o reitor Jairo Vicente Clivatti, é que, antes, a instituição não tinha autonomia para nada, nem para poder mudar a grade curricular de algum curso, por exemplo, o que atrasava os interesses e o desenvolvimento da instituição.

O curso de Comunicação Social, que, em 2012, completou dez anos de atividades na instituição, desde 2007, mudou pouca coisa em sua grade curricular.  Como conta o professor e coordenador do curso de Jornalismo, Lúcio Passos, Comunicação Social participou ativamente desse processo de transformação. Antes disso, o processo já estava há muito tempo sendo estudado. “Foram oito anos até finalmente passarmos de Face para Uniuv. O início da ideia, até o preenchimento de todos os requisitos para que tudo estivesse concretizado durou todo esse tempo. Até aí, tivemos muitas reuniões, muita conversa, muito tempo discutindo ideias e muito cansaço, mas que, no final, valeram a pena,” conta o reitor Clivatti.

Como faculdade, a estrutura oferecida pela instituição era muito boa, mas o que atrapalhava para outras melhorias era justamente toda a burocracia que fazia parte do meio, autorizações, licitações, entre outros. Tudo isso pelo fato de ser nomeada e reconhecida como faculdade.

Prédio do Cemad, construção do Centro Universitário de União da Vitória, onde funciona os laboratórios de engenharia     Este processo, com o tempo, ganhou respaldo e ajuda da sociedade para o êxito na transformação. Com o apoio da prefeitura de Porto União e União da Vitória, Câmaras Municipais e até o Lyons Clube, por exemplo, fez com que uma estratégia muito forte fosse montada. Isso se resume em um modo de chegar até as pessoas que poderiam fazer acontecer essa transformação, entre outras palavras, chegar até os contatos certos. “Houve uma preocupação em ter pessoas certas ao lado, o discurso correto, os documentos necessários e a competência exigida, o que até tínhamos, mas não o suficiente,” explica Clivatti.

A ajuda também partiu dos cursos já existentes na instituição, de Comunicação Social, que, com o seu coordenador de curso, citado acima, a frente de tudo, mobilizou-se para divulgar e propagar ainda mais a ideia entre os alunos e até mesmo entre a sociedade, já que futuras gerações iriam beneficiar-se com a mudança.

Vista lateral do ginásio de esportes da UniuvCorrentes na internet surgiram, por meio de e-mails, pessoas repassavam uns aos outros notícias e textos que tratavam dos benefícios que essa transformação traria à cidade e região. “Como todos os outros cursos, Comunicação Social não podia ficar de fora da campanha. Aproveitamos a nossa área e começamos a conscientizar o pessoal. Por meio de reportagens, coberturas do assunto e produção de matérias, nos mobilizamos para ajudar no processo”, diz Passos.

Com todo o apoio interno e externo que a faculdade contava, foi preciso, a partir de então, correr atrás do que era preciso, como ter mais professores capacitados, pois se tinha apenas um terço do corpo docente com dedicação total que o CEE (Conselho Estadual de Educação) exigia. Depois disso, foi encaminhado a Curitiba-PR, o protocolo mostrando que as exigências estavam sendo cumpridas. Então, o CEE encaminhou uma documentação apontando que a Face preenchia os requisitos para a mudança ao governador da época Roberto Requião, que leu o conteúdo e assinou. Esse contexto deu-se com o propósito de transformar a Faculdade em Universidade. Peritos da capital vieram à União da Vitoria dias depois da assinatura para conhecer as instalações do prédio.

Construção do ginásio poliesportivo Uniuv, que deu-se a partir da transformação FaceUniuv

Foi no dia 10 de setembro de 2006 que esse processo chegou ao fim e, a partir de 2007, o Centro Universitário de União da Vitória finalmente surgiu.

Hoje, a Uniuv se faz presente não só em União da Vitória, mas por toda a região, ofertando desde cursos extensivos até outro campus, caso da Uniuv de São Mateus do Sul-PR. O reitor Clivatti afirma que avanços precisam acontecer constantemente. Ele revela que há um projeto para 2013, que é de preparar mais os professores em tecnologia. “O nosso pensamento é o de avançar e sempre buscar a regionalização de ensino. Temos o compromisso de fazer acontecer e vamos continuar trabalhando com esses ideiais.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *