RP – O pioneiro

RELAÇÕES PÚBLICAS – O PIONEIRO DA COMUNICAÇÃO UNIUV

 

RPA Faculdade de Ciências Econômicas (Face) iniciou suas atividades com os cursos de Administração e Ciências Econômicas, em 1974. Por vários anos foi tida como o centro dos cursos da área de exatas. Porém, em 1999, foi implantado o primeiro curso da área da comunicação. O curso foi Relações Públicas, que deu início a área da comunicação na região. Não demorou muito para que novos cursos fossem abertos. Já em 2002 foram implantados os cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda.

A ideia inicial da implantação dos cursos de Comunicação em União da Vitória (PR) foi do professor Isael Pastuch. Segundo o atual reitor do Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), Jairo Vicente Clivatti, o professor Isael foi o grande idealizador e tinha o sonho de criar os cursos de comunicação com uma boa qualidade.

O professor Raulino Bortolini foi um dos primeiros coordenadores do curso. Ele relembra que com a ideia do curso de Relações Públicas já se pensava, no futuro, em outros. “Quando o curso de Relações Públicas foi implantado já se tinha a ideia de que, no futuro, se partiria para os outros cursos desta área como efetivamente aconteceu com Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Dessa forma Relações Públicas foi o passo inicial”, explica.

O primeiro curso de comunicação na região teve grande importância de influência, como explica Bortolini. “O curso de Comunicação preparou pessoas com melhores conhecimentos e os meios de comunicação atuais na nossa região melhoraram, quer em conteúdos, quer em criatividade e especialmente no campo social onde estes profissionais atuam”, acredita Bortolini.

A Relações Públicas Fernanda Wolff, que também foi coordenadora do curso, relembra das dificuldades de início do curso. “No começo a grande dificuldade foram professores, pois na faculdade a única professora formada em Comunicação Social era eu. Depois, no segundo ano, vieram alguns professores colaboradores da área de comunicação, porém não de Relações Públicas”.

Fernanda acredita que o curso de Relações Públicas foi fundamental para a criação de Jornalismo e Publicidade e Propaganda. O curso chegou a formar 6 turmas. “Um dos maiores motivos do curso ter fechado foi pela inexistência do tronco comum na época, portanto eram muitas vagas ofertadas que precisavam ser preenchidas e não tínhamos alunos suficientes para tantas ofertas”, comenta.

 

LEMBRANÇA DOS PRIMEIROS ALUNOS

 

luciana_pastuchA Relações Públicas Luciana Pastuch foi aluna da primeira turma de Relações Públicas. Ela escolheu o curso porque na época havia uma ampla área de trabalho. Os primeiros anos não foram fáceis, um dos pontos de maior dificuldade era relação do quadro de professores com especialização na área. “Como fui da primeira turma, passamos por muitas barreiras, mas também tenho orgulho de ter aberto o campo de Relações Públicas, onde muitas pessoas nem se quer sabiam do que se tratava um Relações Públicas”, conta. Luciana também relembra da expectativa em relação ao mercado de trabalho. “Tínhamos muitas ideias de implantação em empresas, poderíamos trabalhar em diversos ramos de atividades, atingindo públicos diferentes”, recorda.

A também Relações Públicas Irmgard Fernandes fez parte da primeira turma.  Ela escolheu o curso por acreditar que a área de comunicação era algo com qual ela se identificava, principalmente, por gostar de trabalhar com o público. Irmgard também recorda de algumas dificuldades enfrentadas no início do curso de Comunicação. “Os primeiros anos do curso de Relações Públicas, acho que foram como qualquer outro curso novo em uma instituição de ensino, a busca por profissionais da área que atendessem a grade curricular, a adequação da grade curricular as necessidades do mercado, além de buscar satisfazer os acadêmicos que cursavam Relações Públicas”, relembra.

Irmgard também comenta sobre a importância que Relações Públicas teve para os outros cursos de Comunicação. “Muitos dos acadêmicos que procuravam Relações Públicas o faziam por ainda não ter esses dois cursos na região, o que era totalmente viável, pois a estrutura que o curso de Relações Públicas atendia perfeitamente a fase inicial de Publicidade e Jornalismo”.

O CURSO

O curso de Bacharel em Comunicação Social, com Habilitação em Relações Públicas, tinha currículo de carga horária de 2.940 horas/aula, nas quais estão incluídas as cargas horárias relativas ao Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), nas modalidades de Projeto Experimental e de Estágio Supervisionado. A duração do curso era de, no mínimo, quatro anos e, no máximo, seis anos. Era realizado no período noturno. Segundo dados da Secretaria Acadêmica (2003), em 2002 houve 63 inscritos para 50 vagas (1,26 por vaga), já em 2003 houve 52 inscritos para 50 vagas (1,001 por vaga).

 

Conheça abaixo um pouco mais sobre como aconteceu o pioneirismo do Curso de RP

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *